Violonistas enfeitiçam a alma com ‘Quebranto’

Violonistas enfeitiçam a alma com ‘Quebranto’

 

Raphael Vidigal, jornal ‘O Tempo’, 26/06/2017

 

A música pertence, desde sempre, ao ambiente do abstrato. Quando ela se baseia no instrumental essa característica de origem regressa com ainda mais força, pois o queYamandu-Penezzi as palavras sugerem, a sonoridade, quando muito, apenas evoca. Origem, aliás, é uma palavra de ordem no primeiro trabalho instrumental feito em parceria por Yamandu Costa, 37, e Alessandro Penezzi, 43.

No moderno “Quebranto”, os dois violonistas apresentam 12 temas autorais e uma regravação para a “Valsa Seresta Nº 1”, obra do quase nonagenário compositor paulista Sergio Napoleão Belluco, 86. Por sinal, uma das principais qualidades do álbum é destacar o vigor de composições baseadas em ritmos tradicionais, como a valsa, o choro, o bolero, a seresta e o samba.

Sempre tive vontade de registrar esse trabalho com o Penezzi, por termos em comum a escola do violão brasileiro. A ideia do disco é mostrar os nossos dois violões de sete cordas ocupando o espaço de solista”, conceitua Yamandu.

Além das canções em parceria com Penezzi, o músico gaúcho assina sozinho no CD as faixas “Bolero Negro”, “Saracoteco” e “Samba Pro Rafa”, tributo ao violonista Raphael Rabello (1962-1995), que contraiu Aids após precisar receber transfusão de sangue em virtude de um acidente de moto sofrido, e morreu quando estava internado para um tratamento de desintoxicação de drogas, vício adquirido depois do diagnóstico da doença.

Essa música é uma saudação. Ela procura reproduzir o sentimento transmitido pelo Rapha quando ele tocava samba, e aquela batida de violão com a mão direita tão importante que ele criou. Ele foi um cometa que passou pela Terra e abriu esse espaço para nós. Toda minha geração é filha musical dele”, assegura Yamandu.

Cigana

De acordo com a tradição cigana, a palavra “quebranto” é um “sortilégio que se lança pelo olhar para enfeitiçar alguém”, explica o encarte do disco. No caso, o feitiço que alcança os sentidos através da audição parte de sons prenhes de visualidade, dos quais os títulos das canções dão alguma pista. A melancolia própria para a “Valsa Morena” contrapõe-se à sensualidade explícita da música que nomeia o trabalho, enquanto “Chico Balanceado” leva, realmente, o corpo a dançar.

A gente que se cria na cultura da música popular já tem influência, de alguma forma, da música cigana. Essa maneira rural de aprender tem tudo a ver com a tradição dos ‘gitanos’, fora a admiração que sempre tivemos pelo violão flamenco que vem daquela região, e isso abraça toda uma identidade de América Latina, principalmente nas fronteiras com o Uruguai e a Argentina, que é de onde eu vim” elabora Yamandu.

Não por acaso, “Meus Gurizinhos”, parceria com o argentino Lúcio Yanel, 71, acentua esse sotaque, cuja expressividade territorial de aldeia não deixa de abranger o amplo espectro das manifestações culturais deste continente tão diversificado, que traz no bojo o antigo e o novo juntos.